sexta-feira, julho 30, 2021
InícioCulturaRaça, representação e a fantasia brasileira de Louis Agassiz

Raça, representação e a fantasia brasileira de Louis Agassiz

Moderado por Alejandro De La Fuente, Robert Woods Bliss Professor de História e Economia da América Latina; Professor de Estudos Africanos e Afro-Americanos e de História, Universidade de Harvard
Como podemos confrontar a história e o legado do extenso arquivo de imagens de africanos e indígenas brasileiros de Louis Agassiz feito em Manaus, Brasil em 1865 e abrigado no Museu Peabody de Harvard?

Em uma discussão virtual ao vivo em português e inglês organizada pelos Museus de Ciência e Cultura de Harvard, quatro palestrantes ilustres refletiram sobre o momento histórico em que essas fotos foram tiradas, discutiram as manifestações racistas de indígenas no Brasil e em outros lugares e, trazendo à tona o respeito para diferentes epistemologias, explorou maneiras de lidar com eles hoje.

Os painelistas foram o escritor e historiador Christoph Irmscher (colaborador do recente livro da Peabody Museum Press sobre as imagens de Agassiz, To Make Your Own Way in the World), a artista performática e fotógrafa brasileira Anita Ekman, a crítica literária Luciana Namorato e a primeira curadora de arte indígena do Brasil, Sandra Benites do Museu de Arte de São Paulo (MASP).
Sobre os palestrantes

Sandra Benites, mulher guarani Nhandeva, é a primeira curadora adjunto indígena de arte brasileira do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP). Atualmente é doutoranda em antropologia social pelo Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É mestre em antropologia social pelo mesmo instituto. Em 2018 foi curadora da exposição Dja Guata Porã | Rio de Janeiro indígena junto com José Ribamar Bessa, Pablo Lafuente e Clarissa Diniz no Museu de Arte do Rio (MAR). Posteriormente, ela participou de diversos eventos culturais e educacionais sobre o papel das mulheres indígenas e da arte indígena no Brasil.

Anita Ekman é uma artista, fotógrafa e performer brasileira contemporânea. Anita explora a representação das mulheres e seu papel na arte e na história do Mundo Atlântico por meio de performances (usando pinturas corporais) em sítios arqueológicos. No final de 2020, a American Online Magazine for the Photographic Arts – a Od Review – publicou o ensaio “On Anita Ekman’s Ochre”, escrito por Christoph Irmscher. Foi apresentada a performance colaborativa Tupi Valongo Cemitério dos Novos Negros e Índios Velhos na Conferência Ecos do Atlântico Sul do Goethe Institut no Brasil (2018–2019) e Escutando os Ecos do Atlântico Sul em Oslo, com curadoria de Selene Wendt, no início de 2020. Atualmente, Anita desenvolve o projeto “Ventres da Mata Atlântica “(2019–2021) apoiado pelo Goethe Institut Ecos Fund (com Amilcar Packer, Sandra Benites, Carlos Papa, Cristine Takuá, Marcelo Noronha e Freg J. Stokes), inicialmente apresentado no HKW – Das Haus der Kulturen der Welt em Berlim (2019) .A primeira exposição de fotografia individual de Anita Ekman foi Mulheres do Samba – 100 Anos de Samba em 2016 na Magnet Gallery em Melbourne, Austrália.

Christoph Irmscher, biógrafo e crítico de livros, é professor reitor de inglês na Indiana University Bloomington, onde dirige o Wells Scholars Program. Sua biografia, Louis Agassiz: criador da ciência americana (Houghton Mifflin), foi uma escolha dos editores da resenha de livros do New York Times. Sua página inicial pode ser encontrada em http://www.christophirmscher.com.

Luciana Namorato é Professora Associada de Espanhol e Português na Indiana University Bloomington, onde também dirige o Programa de Português. É autora de Diálogos borgianos (publicado no Brasil), e coeditora de Literatura Luso-Brasileira em um Contexto Global, número especial da Revista Moara (publicado pela Universidade do Pará, Brasil), e Diálogos Transatlânticos, número especial da Revista de Estudos Literários (publicada pela Universidade de Coimbra, Portugal). Ela também co-editou La palabra según Clarice Lispector: Aproximaciones críticas (publicado pela Universidad Nacional Mayor de San Marcos, no Peru). O Professor Namorato pesquisa atualmente o intercâmbio cultural entre Portugal e o Brasil na segunda metade do século XIX, com foco na obra do escritor brasileiro Machado de Assis. Ela também está em processo de co-edição de uma coleção de ensaios sobre mulheres artistas latino-americanas, intitulada The Other Fridas.

Alejandro de la Fuente é um historiador da América Latina e do Caribe que se especializou no estudo da escravidão comparada e das relações raciais. Os trabalhos do Professor de la Fuente sobre raça, escravidão, direito, arte e história do Atlântico foram publicados em espanhol, inglês, português, italiano, alemão e francês. Ele é o autor de Becoming Free, Becoming Black: Race, Freedom and Law in Cuba, Virginia e Louisiana (Cambridge University Press, 2020, em coautoria com Ariela J. Gross), Havana e o Atlântico no século XVI (Universidade de North Carolina Press, 2008), e de A Nation for All: Race, Inequality, and Politics in Twentieth-Century Cuba (University of North Carolina Press, 2001), publicado em espanhol como Una nación para todos: raza, desigualdad y política en Cuba, 1900-2000 (Madrid: Editorial Colibrí, 2001), ganhadora do prêmio de Melhor Livro da História da América Latina em 2003 da Southern Historical Association. ” Ele é coeditor, com George Reid Andrews, de Afro-Latin American Studies: An Introduction (Cambridge University Press, 2018, disponível em espanhol e português) e da Afro-Latin America Series, Cambridge University Press. O professor de la Fuente também é curador de três exposições de arte que tratam de questões raciais, e o autor ou editor de seus volumes correspondentes: Queloides: Raça e Racismo na Arte Contemporânea Cubana (Havana-Pittsburgh-New York City-Cambridge, Ma, 2010-2012); Drapetomania: Grupo Antillano e a Arte Afro-Cuba (Santiago de Cuba-Havana-New York City-Cambridge, Ma-San Francisco-Filadélfia-Chicago, 2013-16) e Diago: The Pasts of this Afro-Cuban Present (Cambridge , Ma-Miami, em andamento). O professor de la Fuente é o diretor fundador do Instituto de Pesquisas Afro-Latino-Americanas do Centro Hutchins para Pesquisas Africanas e Afro-Americanas e presidente do Programa de Estudos de Cuba, Centro David Rockefeller para Estudos Latino-Americanos. Ele também é o editor sênior da revista Cuban Studies.

Deixe uma resposta

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Valéria on Funk consciente