quarta-feira, fevereiro 1, 2023
InícioCulturaMuseu Americano de História Natural Inaugura Novo Centro Richard Gilder para Ciência,...

Museu Americano de História Natural Inaugura Novo Centro Richard Gilder para Ciência, Educação e Inovação em 17 de fevereiro de 2023

O Museu Americano de História Natural anuncia os avanços das obras para o Richard Gilder Center for Science, Education, and Innovation, que está rapidamente tomando forma em aço, vidro e concreto projetado.  O Museu divulgou uma série de fotos de toda a riqueza artística que já transparece no local, destacando os espaços imponentes e extremamente iluminados que vão abrigar o público do Gilder Center, a partir de 17 de fevereiro de 2023.

Com seus mais de 20.000 m2 e espetacular arquitetura projetada pelo Studio Gang – o famoso escritório de arquitetura e design internacional chefiado por Jeanne Gang –, o Gilder Center foi concebido para convidar as pessoas a explorar as fascinantes e abrangentes relações entre as espécies que compõem a vida na Terra, ao mesmo tempo destacando todas as ricas conexões entre os acervos, projetos de pesquisa, programas educacionais e galerias de exposição do Museu. Fisicamente, o Gilder Center conecta diversos edifícios do Museu, criando um campus expandido que atravessa quatro quarteirões de Nova York, dando vida ao conceito planejado inicialmente para o projeto há mais de 150 anos. Intelectualmente, o Centro é um forte símbolo de uma das mensagens mais essenciais do Museu: toda forma de vida está conectada.

“Em um momento em que a necessidade de letramento científico nunca foi tão urgente, nos traz muita alegria e muito orgulho que estamos prestes a inaugurar o Centro Richard Gilder de Ciência, Educação e Inovação, uma instalação importantíssima que vai transformar tanto o trabalho do nosso museu quanto a paisagem cultural de Nova York”, explicou Ellen V. Futter, Presidente do Museu. Em suas exposições e programas – e também na surpreendente arquitetura que as apresenta ao mundo –, o Gilder Center alia pensamento baseado em evidências a experiências que transportam nossa percepção e capturam a essência da exploração e da inovação científica”, afirma.

O espaço de exposição do Centro foi concebido pelo escritório de design Ralph Appelbaum Associates e contará com uma série de espaços diferentes:

●        O Átrio de Exploração Kenneth C. Griffin, um grande espaço cívico de quatro andares que servirá como a nova porta de entrada do Museu para quem chega da Columbus Avenue. O Átrio se abre para o Parque Theodore Roosevelt, criando um caminho que leva direto à região oeste do Central Park. As elegantes e imponentes curvas e recessos do espaço serão o cartão de visitas do Gilder Center para quem chega, incentivando as pessoas a explorar o espaço.

●        A Biblioteca de Pesquisa e Espaço de Aprendizagem David S. e Ruth L. Gottesman, que dará acesso aos recursos de estudo sem paralelo da Biblioteca do Museu. Com uma vista panorâmica para o oeste, o quarto andar ficará aberto ao público e incluirá uma nova sala de leitura, uma área de exposições, uma sala de estudos em grupo e um espaço para que as pessoas possam simplesmente relaxar para ler um pouco ou consultar o acervo de livros. O local também oferecerá toda uma programação de eventos e exposições que falam sobre a história da ciência através dos acervos do Museu, como o Acervo de Livros Raros, entre outras atividades.

●        O Núcleo de Acervos Louis V. Gerstner, Jr., uma estrutura vertical com três andares de exposições do chão ao teto que representam cada área temática dos acervos do Museu – biologia de vertebrados e invertebrados, paleontologia, geologia, antropologia e arqueologia – com artefatos que vão desde trilhas de fósseis a trilobitas, chifres a objetos em cerâmica. Uma série de totens de mídia contará histórias sobre como cientistas analisam os diversos acervos, e painéis de vidro revelarão os espaços de acervos em preparação que formam o coração do Núcleo de Acervos. Ao todo, o Gilder Center abrigará cerca de quatro milhões de espécimes científicos, ou aproximadamente 12% do acervo do Museu. Os acervos e exposições no primeiro e segundo andares do Núcleo de Acervos têm o apoio da Macaulay Family Foundation.

●        O Insetário da Família Susan e Peter J. Solomon, a primeira galeria do Museu em mais de 50 anos dedicada ao mais diverso – e absolutamente crítico – grupo de animais da Terra. Com insetos vivos e pinados e exibições gráficas e digitais, o Insetário terá espécimes de boa parte das 30 ordens de insetos e vai explorar os papéis vitais que os insetos desempenham nos diferentes ecossistemas. Modelos gigantes de abelhas suspensas sobre o teto guiarão as pessoas pela galeria em direção a uma colossal colmeia na extremidade oeste. Ao longo do caminho, as pessoas passarão por um corredor suspenso de vidro construído para servir de rota para formigas-cortadeiras vivas, transformando o local em uma das maiores exibições da espécie em todo o mundo. Diversas telas touch ilustrarão insetos comuns dos distritos de Nova York, e uma galeria auditiva vai cercar as pessoas com toda a sinfonia dos insetos do Central Park – inclusive com a capacidade de sentir as vibrações correspondentes.

●       O Biotério Família Davis Butterfly, com quase 300 m2 de área e aberto todo o ano, em que será possível interagir com até 80 espécies de borboletas em voo livre – e às vezes até sentir uma pousando em você. A galeria oferecerá a oportunidade de passear por uma série de microambientes sinuosos para observar as borboletas, um dos ‘termômetros’ ambientais mais importantes da natureza. Será possível, ainda, identificar as borboletas através de placas de com um cartão ilustrado para cada espécie em voo, atualizadas diariamente. Com a ajuda dos monitores do Centro, visitantes também poderão analisar borboletas em um microscópio digital.

●        Mundos Invisíveis, uma extraordinária experiência imersiva em 360º que combina ciência e arte para criar imagens de beleza e imaginação estonteantes (e total rigor científico) das teias da vida em todas as escalas. O espaço foi projetado pela Tamschick Media+Space de Berlim e pela Boris Micka Associates, sediada em Sevilha, que trabalharam de perto com especialistas em visualização de dados e cientistas do Museu e de todo o mundo para criar a experiência. Instalada em um ambiente criado sob medida para o projeto, o Mundos Invisíveis é mais um exemplo da longa tradição do Museu de transportar visitantes por todo o mundo, com seus famosos mini habitats, e também por todo o universo, com criações como os Hayden Planetarium Space Shows, cheios de visualizações informadas por rigor científico. O espaço começa com uma galeria introdutória projetada pelo Departamento de Exposições do Museu, que flui então para um segundo ambiente de 1.200 m2 com espelhos suspensos no teto e paredes de 7 m de altura que preenchem o ambiente com projeções em todas as escalas, gerando um todo que cria a impressão de infinito. Uma vez dentro do espaço, visitantes assistem uma experiência de 12 minutos em loop que destaca como toda a vida na Terra está interligada: desde os nossos blocos de construção mais básicos do DNA até as interdependências ecológicas nas florestas, oceanos e cidades e a rede de trilhões de conexões dentro do cérebro humano. Em momentos essenciais da exibição, visitantes se tornam parte da história: seus próprios movimentos afetam as imagens de redes vivas retratadas em todos os lugares do espaço.

●        O Gilder Center é o mais abrangente esforço de criação e modernização de espaços educacionais do Museu em décadas, com 18 novas salas de aula, reformadas ou adaptadas, projetadas para atender tanto a necessidades específicas de educação formal quanto famílias e estudantes de educação adulta. Os espaços de última geração incluem: uma zona de Apoio aos Estudos para Ensino Fundamental, apoiada por Josh e Judy Weston, para alunos do sexto ao nono ano do ensino fundamental – incluindo participantes da iniciativa Urban Advantage criada para apoiar escolas públicas da cidade de Nova York; uma zona de Apoio aos Estudos para Ensino Médio, que contará com uma sala de aula para Aprendizagem com Dados e uma para estudos de biologia e química; e uma zona de Preparação para Ensino Superior e a Carreira, com espaços dedicados à promoção de desenvolvimento profissional relacionado a STEM. Os ambientes complementam o trabalho que o Museu já vem fazendo em iniciativas como o Programa de Educação e Emprego do Museu (MEEP), criado para estudantes universitários, e o Programa de Mentoreamento em Pesquisa Científica (SRMP), voltado a estudantes do ensino médio. Espaços adjacentes no complexo atual do Museu incluem a Zona de Aprendizagem Família Michael Vlock, com salas de aula recentemente reformadas para ajudar crianças e famílias, e uma zona de Aprendizagem para Professores reformulada para aproveitar os programas do Museu para o desenvolvimento profissional de educadores e educadoras. Estas salas de aula permitirão ao Museu servir estudantes e professores/as de novas formas alinhadas aos padrões educacionais nacionais, ajudando a promover o ensino de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM) de alta qualidade que possa preparar estudantes para trajetórias de sucesso no ensino superior e no mercado de trabalho.

PROJETO ARQUITETÔNICO

O projeto do Studio Gang para o Gilder Center conecta galerias novas e existentes de forma que destaca os vínculos intelectuais entre diferentes áreas da ciência, com curvas fluidas, recessos, janelas e pontes inspiradas por formações naturais que sugerem exploração, conexão e descoberta. A localização central do Núcleo de Acervos Gerstner – uma estrutura vertical de cinco andares com três andares de exposições mostrando uma variedade de conjuntos e permitindo às pessoas visualizar diretamente os espaços de preparação de acervos –, enfatiza o papel dos acervos científicos como a base a partir da qual se forma o conhecimento científico. As adjacências dos locais e a visibilidade total das salas de aula, dos acervos do Museu e a nova Biblioteca de Pesquisa Gottesman posicionam o aprendizado dentro do contexto da prática científica atual e ilustram como novos conhecimentos científicos são compartilhados e disseminados. Realizado em colaboração com o arquiteto executivo Davis Brody Bond, o Gilder Center cria aproximadamente 30 conexões entre dez edifícios existentes (incluindo os recém-inaugurados Halls de Gemas and Minerais Allison e Roberto Mignone), melhorando muito a circulação de visitantes e eliminando becos sem saída. É um trabalho especialmente importante considerando a importância do campus do Museu, cujo movimento de pessoas chegou a cinco milhões de pessoas por ano no período pré-pandemia e que desempenha um papel importantíssimo na recuperação de Nova York e do retorno do turismo à cidade neste período pós-pandemia.

O Átrio Griffin se abre para o Parque Theodore Roosevelt, criando um novo caminho para visitantes do Central Park West e oferecendo mais um convite às pessoas para explorar tudo o que o Museu tem a oferecer. Uma vez dentro do Átrio, as pessoas se deparam com um espaço em forma de cânion com pontes e aberturas que as conecta – física e visualmente – em múltiplos níveis às novas galerias de exposição, espaços educacionais e acervos, transmitindo uma sensação constante de descoberta. Este espaço, como grande parte do Gilder Center, tem sua base construída com concreto pulverizado diretamente sobre o vergalhão, sem o trabalho tradicional de moldagem. Esta técnica, conhecida como shotcrete (ou “concreto projetado”), foi inventada por Carl Akeley, naturalista e taxidermista do Museu. Uma vez curado, o concreto é acabado à mão, demonstrando a fluidez do material.

A verticalidade do Átrio Griffin também funciona como aspecto chave da sustentabilidade da construção, permitindo a entrada de luz natural e a circulação de ar até o coração do interior do edifício. Grandes claraboias trazem a luz do dia para os locais mais interiores do campus, enquanto a altura permite a introdução de ar-condicionado no nível do solo, reduzindo a demanda de resfriamento.

A fachada do Gilder Center voltada para Columbus Avenue será revestida com granito rosa Milford – a mesma pedra usada para a entrada do Museu no Central Park West –, conectando as duas laterais do campus do Museu. As pedras são organizadas em painéis tridimensionais que juntos criam uma fachada ondulada. O padrão diagonal evoca tanto as camadas geológicas da Terra quanto a superfície ricamente texturizada e sinuosa da estrutura de alvenaria do Museu que dá para a 77th Street.

O edifício de alto desempenho tem um revestimento de pedra que, juntamente com o design das janelas e o uso da sombra das árvores, ajudará a manter o edifício naturalmente fresco no verão. A paisagem do parque é altamente eficiente em termos de consumo de água, com vegetação adaptativa e um sistema de irrigação que reutiliza as águas pluviais coletadas no prédio.

A elevação traseira (voltada para o leste) é inspirada pelos edifícios adjacentes do Museu, com uma janela alta e central que fornece mais luz natural para o Átrio Griffin. O Museu está buscando certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) Ouro – um símbolo mundialmente reconhecido de sustentabilidade – com uma série de estratégias para reduzir o desperdício e conservar energia.

PARQUE THEODORE ROOSEVELT

O projeto do Gilder Center inclui melhorias na porção adjacente ao Parque Theodore Roosevelt, com um novo projeto paisagístico da Reed Hilderbrand que vai criar áreas para sentar e pontos de encontro, aumentar a circulação, revitalizar as plantações e melhorar a infraestrutura do parque.

As benfeitorias no Parque Theodore Roosevelt serão completadas em fases. As reformas no canto noroeste – onde está localizado o Monumento Nobel – estão programadas para ser apresentadas ao público no final deste outono. Melhorias na infraestrutura das áreas restantes do parque – incluindo a entrada do parque na Columbus Avenue, o Margaret Mead Green, e os espaços adjacentes à entrada de serviço do Museu – serão abertas concomitantemente com o Gilder Center em fevereiro. As plantações estão em andamento e programadas para serem concluídas durante a temporada de plantio da primavera de 2023. A restauração da paisagem urbana em frente à entrada do Gilder Center na Columbus Avenue também será concluída na primavera de 2023.

As principais características do projeto paisagístico incluem:

●        uma entrada generosa e acolhedora pelo parque, proporcionando uma transição mais gradual da Columbus Avenue para o parque.

●        expansão do Margaret Mead Green, com melhoria dos acessos públicos.

●        a criação e expansão de espaços coletivos no parque, incluindo terraços pavimentados e assentos adjacentes ao Margaret Mead Green e ao Monumento Nobel.

●        melhorias na circulação de pedestres com transição transparente aos espaços adjacentes, aliviando o tráfego de pedestres e proporcionando mais pontos de encontro fora do caminho principal.

●        novas ilhas plantadas que destacam o entorno do Museu e preservam notáveis árvores de copa.

●        novas plantações, incluindo copas e sub-bosques, arbustos e coberturas de solo, que geram continuidade e criam uma rica diversidade de cores e formas que muda de acordo com as estações.

●        melhorias de infraestrutura, incluindo esgoto e irrigação.

●        um aumento geral no número de árvores, bancos e espaços abertos acessíveis ao público.

APOIO AO GILDER CENTER

O Museu Americano de História Natural agradece a Richard Gilder e à Gilder Foundation, Inc., cujo apoio e liderança tornou possível a construção do Centro de Ciência, Educação e Inovação Richard Gilder.

O Gilder Center também só foi possível graças ao generoso apoio da Prefeitura de Nova York, do Conselho da Cidade de Nova York, do Presidente do Distrito de Manhattan, do Governo Estadual de Nova York, da Assembleia Legislativa do Estado de Nova York e do Senado do Estado de Nova York.

A fundação do Centro teve apoio essencial de: David S. e Ruth L. Gottesman;
Kenneth C. Griffin; a Família Davis; a Bezos Family Foundation; Louis V. Gerstner, Jr.; a Família Susan e Peter J. Solomon; Judy e Josh Weston; a Macaulay Family Foundation; Katheryn C. Patterson e Thomas L. Kempner, Jr.; a New York Life Foundation;
a Seedlings Foundation, em homenagem a Michael Vlock;
a Susan S. and Kenneth L. Wallach Foundation; Valerie e Jeffrey Peltier; Morgan Stanley; a Marc Haas Foundation em homenagem a Robert H. Haines; a Hearst Foundations;
David Yurman; a Charina Endowment Fund; Nancy B. e Hart Fessenden; Keryn e Ted Mathas; o Espólio de Margaret D. Bishop; a Henry Peterson Foundation;
e um doador anônimo.

O Museu recebeu generoso apoio público dos Governos Municipal e Estadual de Nova York. O Museu expressa seu grande apreço por: Bill de Blasio e Michael R. Bloomberg, ex-prefeitos de Nova York;Scott Stringer, ex-Comissário de Nova York; Corey Johnson e Melissa Mark-Viverito, ex-Presidentes da Câmara Municipal; Daniel Dromm e Julissa Ferreras-Copeland, ex-Presidentes do Conselho de Finanças; Laurie Cumbo, ex-líder da Maioria do Conselho; Jimmy Van Bramer, ex-presidente do Conselho de Assuntos Culturais; Helen Rosenthal, ex-membro do Conselho, e a Delegação da Câmara Municipal de Manhattan; Gale Brewer, ex-presidente do Distrito de Manhattan; o Departamento de Assuntos Culturais da cidade de Nova York; o Departamento Municipal de Parques e Recreação de Nova York; a Empresa Municipal de Desenvolvimento Econômico de Nova York; a Comissão Municipal de Preservação de Marcos da Cidade de Nova York; a Comissão de Design de Prédios Públicos de Nova York; O Conselho de Desenvolvimento Econômico Regional do Governador do Estado de Nova York e o ex-governador David Paterson; Carl Heastie, Presidente da Assembleia Legislativa Estadual de Nova York; Linda Rosenthal, Membro da Assembleia; Dan Quart, Membro da Assembleia; Andrea Stewart Cousins, Líder da Maioria do Senado Estadual de Nova York, e John J. Flanagan, ex-Líder da Maioria; Jose M. Serrano, Presidente de Assuntos Culturais, Turismo, Parques e Recreação do Estado de Nova York, e Senador Richard Funke, ex-presidente do Senado; a Empire State Development Corporation; o Departamento de Preservação Histórica do Estado de Nova York; e a Autoridade de Dormitórios do Estado de Nova York.

EQUIPE DE PROJETOS

O Gilder Center foi projetado pelo Studio Gang.

A exposição foi criada pela Ralph Appelbaum Associates em colaboração com o premiado Departamento de Exposições do Museu, liderado por Lauri Halderman, Vice-Presidente de Exposições.

A equipe principal de projetos também inclui os escritórios Arup, Atelier Ten, Boris Micka Associates, BuroHappold Engineering, Davis Brody Bond, Langan Engineering, Reed Hilderbrand, Renfro Design Group, Tamschick Media+Space, AECOM Tishman, Venable LLP e Zubatkin Owner Representation.

Para mais informações sobre o Gilder Center, visite amnh.org/GilderCenter.

SOBRE O MUSEU AMERICANO DE HISTÓRIA NATURAL (AMNH)

O Museu Americano de História Natural, fundado em 1869, é uma das instituições científicas, educacionais e culturais mais preeminentes do mundo. O Museu engloba mais de 40 salas de exposições permanentes, além das salas do Centro Rose para Terra e Espaço e do Planetário Hayden, bem como galerias para exposições temporárias. Os cientistas do Museu têm à sua disposição um acervo permanente de nível internacional com mais de 34 milhões de espécimes e artefatos, alguns dos quais de bilhões de anos atrás, e uma das maiores bibliotecas de história natural do mundo. Através da Richard Gilder Graduate School, o Museu oferece um Ph.D. em Biologia Comparada e um Mestrado em Educação (MAT), os únicos programa de pós-graduação livres e independentes de qualquer museu nos Estados Unidos. Com seu website, vídeos online e aplicativos para dispositivos móveis, o Museu leva seus acervos, exposições e programas educacionais a milhões de pessoas em todo o mundo. Visite amnh.org para saber mais.

O Programa de Educação e Emprego do Museu recebe o generoso apoio do Instituto de Serviços Museológicos e Bibliotecários sob o número de subvenção MA-10-19-0593-19.
O programa recebeu também uma dotação do Michael Levandowsky Living Trust.

O apoio ao Programa de Mentoria em Pesquisa Científica do Museu Americano de História Natural é oferecido por: Christopher C. Davis; o Shelby Cullom Davis Charity Fund;
a Pinkerton Foundation; e a Adolph and Ruth Schnurmacher Foundation.

O Acervo Educacional do Museu conta com o generoso apoio da  Anna-Maria and Stephen Kellen Foundation e de Elysabeth Kleinhans.

[Imagem] Timothy Schenck/© Cortesia do Museu Americano de História Natural

Deixe uma resposta

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Valéria on Funk consciente