terça-feira, agosto 3, 2021
InícioCulturaHumanização do Direito

Humanização do Direito

Saiba como técnicas de inteligência comportamental e gestão emocional podem agir a favor da atuação do operador do Direito

Contemplar a área do Direito sem as “amarras” que a tradição jurídica tenta envolvê-la, assim como buscar um olhar e uma abordagem que fujam do clássico trabalho técnico de interpretação e, com novos instrumentos, visando aproximar a prática jurídica de uma ideia mais completa e humana.

É o que explica a advogada Marcela Dominguez, autora do livro Direito complementar energético-emocional aos profissionais jurídicos da nova geração”, especializada em comunicação e inteligência emocional. A jurista conta que no universo do Direito é de extrema relevância a humanização na área jurídica para uma vida equilibrada em sociedade.

Marcela Dominguez
Divulgação – Literare Books International

Não há dúvidas de que o maior ativo dessa profissão, especialmente nos dias atuais, é o campo mental dos profissionais da área. Qualquer que seja a área de atuação jurídica do operador do Direito, é cada vez mais necessário investir na capacidade de compreender e autocontrolar as próprias emoções e reações, empregando essa poderosa ferramenta para influir em seu entorno profissional, gerando interatividade positiva e, consequentemente, resultados vantajosos.

Nesse sentido, a finalidade de implementar um sistema de organização dentro dessa área é trazer ao mundo uma realidade de paz, entendida com toda amplitude e abstração que existe no termo.

Segundo Marcela, o universo jurídico possui literalmente um grande poder em suas mãos: “compreender essa reordenação de crenças, medos, limitações e a origem de todos esses sistemas para que as novas experiências humanas possam se desenvolver com fluidez, potencial e organização”.

Para isso ela conta que há a ciência do Direito Complementar Energético-Emocional (DCEE), uma ferramenta que ela comenta em seu livro e que fomenta uma base de inteligência emocional e suporte de energias sutis ao profisisonal do direito, assim como aos envolvidos nas atividades jurídicas. “Por meio de técnicas desenvolvidas a partir de estudos, o DCEE proporciona a criação de uma estrutura emocionalmente sólida para lidar com as mais diversas situações apresentadas na vida real, buscando a melhor performance do profissiopnal, explorando seu potencial máximo de equilíbrio interno e agilidade de raciocínio”.

Divulgação – Literare Books International

A especialista ainda explica que o DCEE auxilia o entendimento das energias que compõe a vida humana, ressaltando a importância de desenvolvê-las e geri-las para o melhor resultado em seus objetivos.

O DCEE comporta uma ciência completa e precisa, pois envolve estudos nas áreas de gestão emocional, técnicas de contemplação, neurociência, física quântica, desenvolvimento da atenção plena, inteligência emocional, mediação transformativa reflexiva, justiça restaurativa, comunicação não violenta e terapias complementares energéticas (como reiki, intuitive healingcristal reading e thetahealing).

“A falha é pensar que de apenas teoria se faz um profissional com excelência. Não vivemos mais em tempos de adoração ao acúmulo, visto que estamosabrindo cada vez mais espaço para a ciência do colaborativismo e do pensamento coletivo”, destaca Marcela Dominguez, que complementa: “de nada adianta ter las leis tributárias decoradas, se, frente a uma situação incerta, o seu atuocontrole for tão instável a ponte de bloquear a região cerebral responsável pelo raciocínio rápido e claro”.

“Nunca é tarde para iniciar a busca pela evolução pessoal e contribuir para um mundo melhor”, finaliza a especialista. 

Deixe uma resposta

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Valéria on Funk consciente